quinta-feira, maio 26, 2022

Mundo em Miniatura

Helmuth Kühl

Modelo de aeronave da Primeira Guerra Mundial


Na mesa cheia de peças de jogos de tabuleiro, a réplica de um avião de caça da Primeira Guerra Mundial parecia mais uma miniatura industrializada. De perto, porém, os detalhes da peça de poucos centímetros de comprimento denunciavam algo de artesanal. 

Perguntei de que jogo o aviãozinho fazia parte, e do que era feito. É parte de um jogo que estamos criando. Esse aí é feito de papel. Foi mais ou menos essa a resposta dada jovialmente por Adolfo Netto.

Foi ele quem fez aquela e outras miniaturas de aviões e veículos militares expostas na mesa, durante o Gamer Show, evento geek cuja primeira edição aconteceu no ano passado em Pato Branco. 

Netto faz parte de um grupo de entusiastas de jogos de tabuleiro, o que o levou ao evento. Mas fazer aviões em miniatura tem a ver com um outro interesse: história. 

Apesar de preferir recriar veículos aéreos, Netto reproduz outras coisas, como barcos, armamentos, veículos de desenhos animados, filmes e seriados.

Tudo isso em várias escalas, e a partir dos materiais que estiverem à mão, como papel, cartolina, palitos de dente e sucata. Netto pratica uma das variedades mais interessantes do modelismo, o scratch built. 

Diferente do plastimodelismo, onde se montam réplicas encaixando ou colando peças pré-fabricadas, o scratch é feito do zero, com os materiais que o artesão achar mais adequado. 

Isso faz com o resultado final seja ainda mais impressionante, sobretudo por conta dos detalhes das obras, que contam com cockpit, trens de pouso e outras minúcias. E para ele é difícil responder com palavras uma pergunta que lhe fazem com frequência: Como você consegue?

Eu não consigo explicar o jogo mental que faço. Eu olho e imagino que aquele pedaço vou fazer assim, vou dobrar desse jeito, vou colar essa peça assim, e vai saindo, explica. 

Claro que o aprimoramento também tem a ver com a prática, e Netto já está nessa há um bom tempo.

O Criador

Adolfo Caetano Netto tem 44 anos de idade, é cirurgião dentista em Pato Branco, e divide consultório com a esposa, também dentista. Nasceu em Telêmaco Borba, mas passou boa parte da infância entre mudanças por conta da profissão do pai, gerente bancário.Morava cerca de dois anos em uma cidade antes de se mudar para outra. 

Sua fascinação por modelismo foi despertada pelas réplicas da Revell, famosa marca norte-americana de modelos plásticos para montar. Netto lembra de ter montado e destruído quatro. Destruído, pois para ele, aquilo não era um item colecionável, mas um brinquedo. 

Um Revell custava um bom dinheiro, e não era algo para se comprar quando bem entendesse. Netto passou então a improvisar. Se queria um caminhãozinho, pegava um papelão e fazia de um jeito tosco, para brincar. Quando aquilo estragava, eu fazia outro.

Quanto mais idade tinha, mais habilidoso ficava, melhores os brinquedos se tornavam, e maior era o apego com suas criações, que foram promovidas a itens de colecionador. 

Netto é apaixonado por história, com um interesse especial por história militar, tanto que hoje é acadêmico do curso pela Unicentro, polo de Coronel Vivida. No entanto, por influência indireta do irmão mais velho, dentista, estudou primeiro odontologia, profissão que exerce há cerca de 20 anos. 

Ele conta ter ficado fascinado com os instrumentos que o irmão levava para casa nas férias estudantis, e como sempre gostou de miudezas e trabalho manual, achou que deveria investir na área.

Os anos de faculdade reacenderiam seu interesse por miniaturas e réplicas. Na biblioteca da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Netto encontrou um livro com modelos de aeronaves, e no observatório do campus se deparou com réplicas de foguetes espaciais feitas por um egresso. Aquilo me atentou, eu posso fazer esse troço, lembra do start.

Usando sua biblioteca particular sobre história e veículos militares, começou a desenhar à caneta seus próprios projetos e a construí-los. Com a internet, as plantas dos veículos já estão disponíveis on-line, na escalada desejada, o que facilitou muito o trabalho.

Quanto à técnica, o dentista compara seu passatempo à artesanato: a criação é livre, e cada artesão desenvolve e aprimora suas próprias técnicas com os materiais que escolhe, e muita coisa serve. 

As principais matérias primas são cartolina e papel cartão. Isopor, madeira, fios elétricos, palitos de dente, e outros materiais também são utilizados. 

Cada projeto tem suas peculiaridades, dobras e materiais específicos, e muitas vezes o modelista precisa desenvolver novas soluções para peças nunca feitas antes. Netto diz ter criado modelos em várias escalas, sendo 1/100, a menor já construída até então, exceto pelas miniaturas para o jogo, que são ainda menores.

Helmuth Kühl

Réplica de caça brasileiro e soviético


Helmuth Kühl

Da matéria prima ao produto final


Helmuth Kühl

Aviões do desenho Esquadrilha Abutre


Helmuth Kühl

Cupê mal assombrado, a máquina do mal e o carro tanque


Helmuth Kühl

Adolfo Caetano Netto


Helmuth Kühl

R2-D2, personagem do filme star wars


História 

À medida que cria uma nova peça, Netto também constrói conhecimento. Para ele, o processo é mais prazeroso do que ver o resultado final, pois cada veículo tem uma história, e o modelista costuma conhecê-la a fundo. 

Antes do interesse pelo modelo em si, costuma vir o interesse pelo seu contexto. A nacionalidade, o conflito em que atuou, quem foi seu piloto, quantos aviões abateu, são informações que geralmente estão na ponta da língua.

Netto se interessa muito pela primeira Grande Guerra, e fabricou vários aviões do período, como o triplano Fokker DR 1, pilotado por Manfred von Richthofen, o Barão Vermelho. Sobre a cor chamativa adotada pelo piloto, Netto explica que era uma forma de mostrar sua identidade e desafiar os adversários.  

Exceto por ele mesmo, que serviu o quartel por cerca de um ano e meio como dentista, não há militares na família. Netto define o interesse por história militar como doença sua. 

Quanto ao primeiro grande conflito, o que lhe chama atenção é a precariedade das aeronaves de combate do período. Fico fascinado pensando na coragem dos caras subindo em um negócio feito de madeira, lona de barraca, montado em cima de um motor, e com uma metralhadora na frente.

Criação

Parte do universo em miniatura de Adolfo Netto é guardado na garagem de sua casa, no bairro Vila Izabel. Em um armário estão livros, materiais, instrumentos e várias peças inacabadas. 

Os modelos costumam ser feitos de forma aleatória. Por conta de dificuldades, descoberta de um veículo interessante, ou outras razões, um projeto pela metade pode ficar um tempo de molho enquanto outro é iniciado.

Um dos últimos modelos finalizados é uma réplica da Tardis, a máquina do tempo em formato de cabine policial do seriado Dr.Who. Netto costumava produzir nas horas vagas, geralmente à noite, turno em que agora estuda. Com menos tempo livre, a produção desacelerou.

A Tardis não é o único veículo ficcional de sua coleção. Algumas das miniaturas mais interessantes de seu acervo são o cupê mal assombrado, o carro tanque, a máquina do mal, do desenho Corrida Maluca; e os aviões da Esquadrilha Abutre. Há ainda miniaturas da X-Wing, de Luke Skywalker, de um Tie Fighter e do robô RD-D2, do universo Star Wars. O acervo também inclui miniaturas de armamentos, feitas de madeira. 

São réplicas que arregalam os olhos de qualquer fã das séries, mas  não estão à venda. Se presentear é algo raro, vender as criações está fora de cogitação. Netto conta que até hoje só vendeu um modelo, e se arrependeu assim que pegou o dinheiro. Não desfez o negócio, mas fez outro igual para si. Além do apego, ele conta que dificilmente conseguiria vender uma peça por um valor que realmente compensasse o esforço empregado. 

Ele conta que é preciso imaginar as formas tridimensionais a partir de uma planta em duas dimensões, como a planta baixa de uma edificação. A cada passo, é preciso pensar em como transformar um determinado material nas partes do veículo, o que pode exigir uma boa dose de inovação.

Se dedicasse meia hora diariamente a um modelo, Netto calcula que levaria cerca de um mês para terminar o trabalho. 

Mas o dentista vai construindo no seu tempo as versões dos veículos que lhe chamam atenção, e usando seu talento para outros fins. O jogo em que serão usados os mini aviões ainda não tem enredo, mas será ambientado na primeira grande guerra.

Interessado em jogos de tabuleiro desde moleque, Netto está se dedicando no desenvolvimento da mecânica das partidas, que deverão ser inspiradas nas manobras ousadas dos ases dos conflitos. 

Seja pelos jogos, seja pelos modelos, o dentista deu um jeito de materializar sua imaginação em um mundo de miniaturas.

Artigo anterior“A fotografia me escolheu”
Próximo artigoO parto do amor

Ultimas Notícias