quinta-feira, maio 26, 2022

A Copa do Mundo no país dos czares

Por Cristina Vargas

A Rússia é um lugar impressionante em todos os sentidos e o torcedor brasileiro que acompanhar a Copa do Mundo deste ano vai poder comprovar isso, principalmente aqueles que optarem em ver tudo de perto.

O país dos czares – como eram chamados os soberanos russos no período do Império Russo, entre 1547 e 1917 – tem muito a mostrar ao mundo e vai aproveitar os flashes da Copa para isso.

A infraestrutura do país promete surpreender, com estádios modernos e boas opções de passeios, que vão desde as praias até lugares históricos. Sem falar no metrô de Moscou, que abrange toda a cidade e possui linhas ordenadas por cores. Há também opções ao ar livre, museus, monumentos, shoppings e prédios imponentes.

10 motivos para fazer as malas

Quem entende do assunto afirma que há dez principais motivos para que o torcedor brasileiro veja de perto a Copa da Rússia. Aliás, para quem é fã de carteirinha de futebol, acompanhar o Mundial dentro dos estádios, vibrando ao calor da torcida, vendo a bandeira do país flamular ao som do hino nacional e a bola rolando até o gol, não tem preço.

  1. O Brasil voltou a ter uma seleção com condições de disputar o título mundial. Tite mudou a cara do time e deu ao torcedor brasileiro esperança de sucesso na disputa pelo hexacampeonato.
  • O clima de uma Copa do Mundo é uma experiência única, principalmente em países relativamente bem desenvolvidos, onde as coisas costumam funcionar sem contratempos, como é o que pelo menos se espera da Rússia.
  • Talvez seja a última oportunidade de ver grandes craques em campo, como é o caso de Lionel Messi, da seleção Argentina, e Cristiano Ronaldo, de Portugal.
  • A Rússia não economizou para oferecer aos torcedores de todas as partes do mundo estádios eficientes, confortáveis e bonitos, contribuindo para que o espetáculo vá além da bola rolando em campo.
  • O país-sede tem cultura e hábitos diferentes dos ocidentais, o que torna a Rússia um lugar interessante e cheio de experiências, rico em belezas modernas e históricas.
  • O tour da Copa inclui 11 cidades-sede e 12 estádios. Moscou, com duas arenas, vale a pena conhecer, assim como a cidade de São Petersburgo, duas grandes metrópoles. Mas também existem as cidades menores, porém não menos especiais. Kazan, por exemplo, é rica em monumentos e encanta por sua cultura.
  • A culinária típica é uma aventura à parte. Há pratos saborosos e conhecidos, como o estrogonofe, mas existem também aqueles mais tradicionais, como, por exemplo, a sopa de origem ucraniana à base de beterraba e tomate, chamada borscht.
  • A Rússia exala cultura, há muita história por lá. De alguma forma seus ilustres personagens, mencionados em livros ao longo da história, estão representados na arquitetura, na cultura, na religião ou no vestuário.
  • As estações de metrô também são um show à parte. Em Moscou, por exemplo, elas são lindas, grandes e cheias de história. Algumas até parecem museus subterrâneos.
  1. A experiência de passar alguns dias com o povo russo pode ser inesquecível. Acostumados a serem mais frios que os latinos, e a maioria da população não falar outro idioma além do russo, pode se tornar uma experiência, no mínimo, interessante.

É pra lá que eu vou

Em Pato Branco, tem gente que vai percorrer mais de 14 mil quilômetros para assistir a Copa da Rússia. É o caso do pato-branquense Daniel Franco Adorno, advogado, 37, que trabalha na Avícola Pato Branco.

Ele conta que faz parte de um grupo formado por integrantes que moram em Pato Branco e em Curitiba, que farão à viagem. Disposto a conhecer o país de maior extensão territorial do mundo e que faz divisa com dois continentes – o Leste Europeu e o Norte da Ásia – o grupo embarcou dia 11 de junho e retorna dia 2 de julho, fazendo uma viagem de 23 dias.

Esta é a primeira vez que Daniel viaja para assistir um Mundial no país sede. Entre os amigos que viajarão com ele estão: Eduar Guerios, Andre Melani, Jose Felipe Raber, Andre Kajewski e Raphael Augusto Miranda.

_______________________________

Roteiro da viagem

“Quando iniciamos o planejamento da viagem, em 2015, a nossa ideia era conhecer a rota da cerveja. Porém, depois acabamos optando por fazer o leste europeu e, por fim, a Rússia, por ser mais atrativo financeiramente. O nosso objetivo é conhecer os pontos turísticos das cidades, começando por Amsterdam (Holanda), Bruxelas (Bélgica), Kaliningrado (Rússia), Minsk (Bielo-rússia), Vilnius (Lituânia), Riga (Letônia), Talin (Estônia), Helsinki (Finlândia) São Petersburgo (Rússia) e Moscou (Rússia). Nós fomos sorteados com os seguintes jogos: Croácia x Nigéria (Kaliningrado), Brasil x Sérvia (Moscou) e Argentina x Nigéria (São Petersburgo)”.

Cultura diferente

“Minha maior expectativa é poder conhecer todos esses países e culturas completamente diferentes da nossa e, com certeza, ter a oportunidade de assistir um jogo de Copa do Mundo”.

Louco por futebol

“Não sou fanático, mas louco por futebol, do bando de loucos. Aqui é Corinthians, meu time do coração, campeão de tudo! Sempre que tenho a possibilidade, vou ao estádio assistir aos jogos, seja do Corinthians ou de outros times”.

Pato Futsal

“Não só acompanho a trajetória do Pato Futsal, como vou aos jogos, acompanho, torço e incentivo os amigos a irem ao Lavardão (Ginásio Dolivar Lavarda, em Pato Branco). Além disso, contribuo no projeto Pato Fustal como colaborador, desde 2016 até os dias atuais”.

Brasil

“Tenho camisas da seleção brasileira, a azul e a amarela. Estas não poderiam faltar na mala. Sobre a expectativa de ver o Brasil em campo, torço para que façamos bons jogos, que sejamos campeões! Gostaria que o Tite tivesse convocado o jogador Arthur, que vem jogando muito e merecia um lugar na seleção. Dos jogadores que vi jogar, a seleção que eu escalaria teria Taffarel, Aldair, Lucio, Cafu, Leonardo, Dunga, Rivaldo, Ronaldinho Gaúcho, Romário, Ronaldo e Neymar”.

Ídolos históricos

“Na história das Copas, meus ídolos são Ronaldo, Romário e Rivaldo. Eles foram os jogadores que marcaram a minha geração, foram ganhadores de Copa e extremamente importantes nos mundiais que disputaram, até quando não conseguiram ser campeões. Nesse ano, excepcionalmente, estou fazendo o álbum da Copa do Mundo, em virtude da viagem e para presentear meu filho, no futuro próximo. Nunca havia participado de nenhuma Copa, por isso a expectativa é grande para a viagem à Rússia”.

Promessas de futebol

“Uma história engraçada, ou promessa, aconteceu em 2002. Eu estava morando em Londres na época, fazendo intercâmbio, e na final da Copa eu trabalhei até próximo ao horário do jogo. Havia combinado com dois amigos – a Sheila (uma amiga brasileira) e o Miguel (um amigo espanhol) – de nos encontrarmos em Piccadilly Circus e acharmos um pub para assistir ao jogo. Chegando lá, conforme o combinado, começamos a percorrer os bares nas redondezas de Piccadilly e estava muito difícil achar um bar que tivesse vaga. No meio do caminho encontramos um grupo de brasileiros que nos indicou um bar, mas teríamos que enfrentar a fila e contar com a sorte para entrarmos. Chegando no bar encontramos uma fila enorme e para iniciar a partida faltava aproximadamente 20 minutos. O tempo foi passando e nada da fila andar. Eu comecei a ficar nervoso, até que chegou uma hora que eu olhei para a Sheila e o Miguel e disse: ‘se a gente conseguir entrar e ainda formos campeões do mundo, eu juro que vou entrar no chafariz de Trafalgar Square e vocês vão junto, não vai ter desculpa’. Dito e feito: entramos no bar, fomos campões e nos dirigimos para a praça para pagar a promessa juntos. Mergulhamos com um bico no chafariz de Trafalgar Square, onde havia uma multidão de brasileiros e torcedores do Brasil comemorando o Campeonato Mundial”.

_____________________________________

Colecionador de álbuns

Em Pato Branco, Gilson Martins dos Reis é fã de futebol. Como um bom colecionador, a cada quatro anos, mais do que figurinhas, ele coleciona álbuns da Copa do Mundo. Gilson tem em sua coleção vários álbuns completos, desde o Mundial de 1990 até o deste ano, na Rússia. Além dos álbuns, ele também coleciona cards e seus respectivos tabuleiros. É um apaixonado por esse tipo de souvenir.

Proprietário de uma locadora de filmes e jogos, ele também comercializa artigos colecionáveis, como os álbuns, e em tempos de Copa sua loja se transforma em um local para o troca-troca de figurinhas. Muitos colecionadores aproveitam a oportunidade e se reúnem para expressar a paixão pelo futebol.

Os encontros mais fervorosos acontecem aos sábados. Desde que os álbuns chegaram a Pato Branco as vendas têm sido intensas e agora a procura maior são pelos envelopes de figurinhas. “Esse é o terceiro ano que comercializo esse tipo de produto. Vendemos em 2010, 2014 e agora em 2018. Eu só vendo álbuns da Copa, nenhum outro tipo, nem campeonato brasileiro, nem sul-americano”, comentou.

Ele disse que neste ano tem à venda apenas álbuns edição premium, que vêm com capa dura em um kit composto por maleta e envelopes de figurinhas, uma exclusividade da sua loja. “Compramos os álbuns na pré-venda. É a primeira vez que tem esse modelo de álbum. Antes era edição luxo, que vinha em uma caixa. Anteriormente, na Copa de 2010, por exemplo, nem existia capa dura, era somente a edição brochura”, destacou.

Gilson disse que neste ano não está comercializando o modelo brochura, porque tem pouco valor comercial. A edição premium é um souvenir, é para completar e guardar.

Em anos anteriores, seu record de venda de envelopes foi de aproximadamente 10 mil unidades, mas que neste ano a corrida pelas coleções está mais intensa. “Primeiramente comprei 30 mil envelopes e vendi todos. Depois encomendei mais 30 mil unidades e também vendi. Agora já comprei mais 30 mil e devo vender todos também. Uma loucura”, enfatizou Gilson, ressaltando que a magia de se colecionar álbuns é a troca de figurinhas. “É o que dá sentido a tudo”.

______________________________________

Sobre a Copa de 2018

A Copa do Mundo FIFA de 2018 realizada na Rússia começa dia 14 de junho, com os jogos do grupo A, quando se enfrentam Rússia e Arábia Saudita e Egito e Uruguai. O Mundial segue até dia 15 de julho, quando acontece o jogo da grande final.

Integrante do grupo E, a seleção brasileira estreia dia 17 de junho, às 15h, no estádio Arena Rostov, em Rostov-on-Don (Rússia), contra a seleção da Suíça. O técnico Tite terá à disposição 23 jogadores escalados. A nação brasileira espera ver um espetáculo no palco do maior evento de futebol do planeta e sonha em erguer a taça pela sexta vez na história.

A competição contará com a participação de 32 seleções nacionais. Ao todo, serão realizadas 64 partidas, nesta que será a 21ª edição do mais importante campeonato internacional de futebol. A cerimônia de abertura e o primeiro jogo, assim como a final, ocorrerão no Estádio Olímpico Luzhniki, em Moscou.

Mascote

A mascote da Copa é um simpático lobo chamado Zabivaka. Ele usa um uniforme de futebol nas cores da bandeira da Rússia (vermelha, branca e azul). Em russo, seu nome significa “aquele que marca”.

Bola da Copa

O nome da bola oficial é Telstar 18. Para cria-la, a Adidas, empresa desenvolvedora, se inspirou nas bolas das Copas de 1970 e 1974. Será a primeira bola de Copa do Mundo a ter um chip NFC (possui capacidade de interação wireless via smartphone). Ela é branca com gomos pretos com detalhes metalizados. O logotipo da Copa de 2018 está estampado na bola.

Logotipo

O logotipo resgata tradições e a arte da Rússia, principalmente na referência aos Ovos Fabergé (joias da época dos czares). Ao mesmo tempo, pretende mostrar um aspecto moderno e inovador da Rússia atual. Mostra o troféu estilizado nas cores vermelha, preta, azul branca e dourada.  O desenho foi elaborado pela Brandia Central, um estúdio de criação de Portugal.

Cidades-sede e estádios

– Kaliningrado – Estádio de Kalinigrado

– Kazan – Kazan Arena

– Moscou – Estádio Luzhniki e Estádio Spartak

– Nizhny Novgorod – Estádio de Nizhny Novgorod

– Rostov-on-Don – Arena Rostov

– São Petersburgo – Estádio de São Petersburgo

– Samara – Arena Samara

– Saransk – Arena Mordóvia

– Sóchi – Estádio Olímpico de Fisht

– Volgogrado – Arena Volgogrado

– Ecaterimburgo – Arena Ecaterimburgo

Ultimas Notícias